Comunicado – Por uma política científica estável e geradora de confiança

 

A comunidade científica da área das Ciências Sociais e Humanidades vem por este meio reagir ao resultado da avaliação da FCT ao Concurso para Financiamento de Projetos de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico em Todos os Domínios Científicos – 2020. Uma visão sustentada para a ciência, a sociedade e a cultura portuguesas exige clareza e continuidade de políticas. Apenas nessa base é possível gerar confiança, criar estabilidade e segurança, essenciais para uma produção científica de alta qualidade, cumulativa, internacionalizada e capaz de traduzir necessidades e aspirações sociais em problemas propriamente científicos. Ora, o que aconteceu veio comprometer estas expectativas.

Na verdade, com taxas de aprovação a rondar os 5% (apesar de a FCT enviesar os números, apresentando uma taxa de sucesso muito superior, ao apenas considerar os projetos com classificação igual ou superior a 7) torna-se impossível gerar conhecimento e inovação. O desastre do concurso é tão acentuado que rompe flagrantemente com as taxas de aprovação dos últimos 20 anos, reduzidas e insuficientes, é certo, mas situadas num intervalo de 12 a 14%. Agrava esta situação a circunstância de este ser o único concurso transversal em três anos, o que exigia maior investimento e muito maior capacidade de resposta por parte da FCT. 

Sabemos que distintos concursos, noutros domínios, têm mobilizado recursos avultados em programas de financiamento específico. Não negamos a necessidade de se definirem prioridades em termos de políticas científicas, mas não podemos aceitar que se sacrifique o pilar matricial do funcionamento das equipas e unidades de investigação.

No momento presente, a situação pandémica, fenómeno social com implicações médicas e sanitárias, expõe com aguda evidência a necessidade de todos os domínios científicos possuírem a suficiente robustez para oferecerem respostas interdisciplinares e integradas. As equipas e centros de investigação têm-se mobilizado, nesta como noutras urgências, mas não encontram da parte da FCT, que deveria ser o seu facilitador e interlocutor privilegiado, a sensibilidade e o apoio que merecem e de que não abdicam. 

Uma ciência com futuro só é possível com o envolvimento dos/as cientistas e da FCT. Este divórcio, do qual não somos responsáveis, mina as esperanças que nutríamos neste novo ciclo e deixa-nos sem meios para fazermos aquilo que melhor sabemos: investigação”.

5 de dezembro de 2020
Os signatários,

  • Associação Portuguesa de Sociologia
  • Associação Portuguesa de Antropologia
  • ARTIS – Instituto de História da Arte, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa
  • Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa (UNIARQ), Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FL/UL)
  • Centro de Estudos Africanos da Universidade do Porto
  • Centro de Estudos Comparatistas, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FL/UL)
  • Centro de Estudos das Migrações e das Relações Interculturais – CEMRI, Universidade Aberta (UAberta)
  • Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho (UM)
  • Centro de Estudos de Geografia e Ordenamento do Território, Universidade de Coimbra (UC)
  • Centro de Estudos de História Religiosa, Universidade Católica Portuguesa (UCP)
  • Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical (CESEM), Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH/UNL)
  • Centro de Estudos de Teatro, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FL/UL)
  • Centro de Estudos em Arqueologia, Artes e Ciências do Património, Universidade de Coimbra (UC)
  • Centro de Estudos Filosóficos e Humanísticos, Universidade Católica Portuguesa (UCP)
  • Centro de Estudos Geográficos, Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa (IGOT)
  • Centro de Estudos Humanísticos, Universidade do Minho (UM)
  • Centro de Estudos Interdisciplinares em Educação e Desenvolvimento, COFAC, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias
  • Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX, Universidade de Coimbra (UC)
  • Centro de Estudos Internacionais (CEI-IUL), ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)
  • Centro de Estudos Sobre a Mudança Socioeconómica e o Território, DINÂMIA’CET-IUL, ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)
  • Centro de Estudos Sociais (CES), Universidade de Coimbra
  • Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento (CETRAD), Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD)
  • Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa (CFCUL)
  • Centro de História da Universidade de Lisboa
  • Centro de Investigação Didática e Tecnologia na Formação de Formadores, Universidade de Aveiro (UA)
  • Centro de Investigação e de Intervenção Social (CIS-IUL), ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)
    Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES-IUL),
  • ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL)
  • Centro de Investigação em Antropologia e Saúde, Universidade de Coimbra (UC)
  • Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes, Universidade Católica Portuguesa (UCP)
  • Centro de Investigação em Educação e Psicologia da Universidade de Évora
  • Centro de Investigação em Estudos da Criança, Universidade do Minho (UM)
  • Centro de Investigação em Qualidade de Vida (CIEQV), Instituto Politécnico de Santarém (IPSantarém)
  • Centro de Investigação em Sociologia Económica e das Organizações (SOCIUS/ISEG/UTL)
  • Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória (CITCEM), Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FL/UP)
  • Centro de Linguística da Universidade de Lisboa
  • Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA)
  • Centro Interdisciplinar de Arqueologia e Evolução do Comportamento Humano, Universidade do Algarve (UAlg)
  • Centro Interdisciplinar de Ciências Sociais – CICS.NOVA
  • Centro Interdisciplinar de Estudos de Género, Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP/Ulisboa)
  • Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades da Universidade de Évora (CIDEHUS/UÉ)
  • Centro Interuniversitário de Historia das Ciencias e da Tecnologia (CIUHCT), Associação para a Inovação e Desenvolvimento da FCT (NOVA.ID.FCT/FCTUNL/UNL)
  • Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa
  • Instituto de Comunicação da Nova – ICNOVA, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa
  • Instituto de Etnomusicologia – Centro de Estudos em Música e Dança, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH/UNL)
  • Instituto de Estudos Medievais, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH/UNL)
  • Instituto de Filosofia da Nova, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH/UNL)
  • Instituto de Sociologia da Universidade do Porto
  • Labcom – Comunicação e Artes, Universidade da Beira Interior
  • Laboratório de Educação a Distância e E-Learning (Le@d), Universidade Aberta (UAberta)
  • Unidade de Investigação e Desenvolvimento em Educação e Formação, Instituto de Educação da Universidade de Lisboa (IE/ULisboa)
  • Unidade de Investigação em Educação e Intervenção Comunitária, Instituto Piaget, Cooperativa para o Desenvolvimento Humano, Integral e Ecológico CRL (IPiaget)

Pode descarregar este comunicado aqui.

 

Relatório Final de Pós-Doutoramento em Educação a Distância e eLearning de Luciano Gamez

Luciano Gamez, investigador internacional em pós-doc concluiu com sucesso o estágio científico avançado de Pós-Doutoramento em Educação a Distância e eLearning na Unidade de Investigação e Desenvolvimento Laboratório de Educação a Distância e eLearning (4372/FCT-LE@D) em parceria com o Departamento de Educação e Ensino a Distância da Universidade Aberta.   O seu trabalho de investigação  teve início em 2019 e centrou-se na “Aprendizagem aberta e em rede  em Design Educacional: meta-análise de referenciais TEDE/UIFESP e na Wikipedia”, tendo a supervisão da Prof.ª Doutora  Teresa Cardoso (LE@D).

O investigador é psicólogo e professor Adjunto na Universidade Federal de São Paulo, Brasil.

#mobilidade #investigaçaointernacional

 

 

LE@D acolhe investigadora da Universidade Jaume I (Espanha)

O LE@D acolhe a investigadora Maria Lozano Estivalis, professora do Departamento de Pedagogía y Didáctica de las Ciencias Sociales, da Universidade Jaume I, Castellon (Espanha) para uma estadia de investigação entre nós. A  investigadora é licenciada em Jornalismo pela Universidade de Valencia e Doutora pela Universidade Autónoma de Barcelona. Atualmente é docente do mestrado em Master de Secundaria  e na Licenciatura de Professores de Educação Infantil  sendo responsável por unidades curriculares diversas relacionadas com as temáticas da Sociedade, Família e da Educação no Mundo Actual. Maria Lozano desenvolve investigação enquanto membro do grupo  MEICRI-Mejora educativa y ciudadanía crítica– e do Instituto Interuniversitario de Desarrollo Social y Paz, unidades da Universidade Jaume I.

A estadia da investigadora irá fortalecer as relações entre os investigadores das unidades de investigação de ambas as instituições e perspetivar linhas de colaboração futuras.

#cooperação